Sistema construtivo que utiliza perfis de aço leves se caracteriza pela versatilidade, redução de desperdício, rapidez de construção, baixo consumo de mão de obra, sustentabilidade e custo competitivo.

 galpões do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro

Possibilidade de criar amplos vãos livres, associada a aspectos como velocidade de execução e sustentabilidade induziram o uso do steel framing nos galpões do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) da Petrobras

Desde que o light steel framing (LSF) começou a ser utilizado no Brasil há vinte anos, avanços foram promovidos em relação à sua aceitação por projetistas, construtores e empreendedores. O número e a diversidade de obras com esse sistema são crescentes. Agências bancárias, edifícios comerciais, postos de gasolina, galpões industriais, instalações públicas e condomínios residenciais são exemplos. Também obras de grande porte vêm sendo realizadas com o LSF, caso do projeto em Juruti (PA), composto por 50 casas, uma escola, dois prédios administrativos e restaurantes, totalizando aproximadamente 80 mil m² construídos com perfis de aço leves.

“Outra evolução aconteceu com o fornecimento de material. Até pouco tempo tínhamos que importar um ou outro produto ou fazer adaptação com subsistemas. Hoje temos tudo à disposição e cada vez mais indústrias se interessam em fabricar componentes para o steel framing”, comenta o arquiteto Alexandre Mariutti, diretor da construtora Sequência.

Embora ainda pareça uma novidade por aqui, o steel framing tem uso consagrado nos Estados Unidos, no Japão e em países onde a construção civil é predominantemente industrializada. Redução de prazo de execução, menor demanda por mão de obra e excelente desempenho, especialmente em relação ao conforto térmico e acústico, motivam a especificação dessa solução.

O sistema se baseia em tecnologia industrializada. Os componentes chegam à obra prontos para serem montados e o controle de qualidade ocorre na fábrica, e não no canteiro, o que garante elevado desempenho e uma obra mais limpa, racionalizada, sem retrabalhos. A quantidade de resíduos gerada é mínima e as sobras, normalmente restos de perfis, parafusos e gesso acartonado, podem ser recicladas. “Com o steel framing reduzimos em aproximadamente três vezes a geração de CO2, em comparação com a alvenaria estrutural “, diz Mariutti.

Construção inteligente

A Caixa Econômica Federal utiliza o steel framing na construção de algumas de suas agências.

A Caixa Econômica Federal utiliza o steel framing na construção de algumas de suas agências. Os componentes da estrutura chegam prontos ao canteiro para a montagem sobre a fundação em radier. O prazo de execução é de apenas quatro meses.

O LSF não impõe limitações à arquitetura, que pode explorar diferentes linguagens. Mas nos casos em que há interesse em tirar maior proveito do sistema, recomenda-se a modulação das medidas com módulos de 1,20 m. É possível erguer edificações com até cinco pavimentos integralmente com perfis de aço leves. Em construções de maior altura, em que a estrutura principal é de concreto ou metálica (com perfis mais robustos), o sistema pode atuar compondo fachadas. Nesses casos, o fechamento em LSF é uma alternativa às alvenarias, agregando velocidade de execução e vantagens em relação ao desempenho acústico e térmico. Várias obras aproveitaram-se dessa solução, como o Hotel Ibis em Canoas (RS) e o teatro do Minas Tênis Clube em Belo Horizonte (MG).

O steel framing é compatível com qualquer tipo de material de fechamento, admitindo desde os mais convencionais, como alvenaria, até os pré-fabricados. Para a cobertura há uma grande variedade de soluções estruturais disponíveis. A escolha depende de fatores como tamanho do vão a cobrir, carregamentos, opções estéticas e econômicas.

A comparação de custos entre o LSF e outros sistemas estruturais deve levar em conta uma análise global da edificação. A leveza das paredes com perfis leves (no máximo 50 kg/m²) gera menos gastos com fundações. Tanto é que, normalmente, as edificações com perfis de aço leves são erguidas sobre uma fundação direta do tipo radier. Há de se considerar também que pilares e vigas de aço são mais esbeltos do que os equivalentes em concreto, o que leva ao melhor aproveitamento do espaço interno e ao aumento da área útil.

Ao optar pelo steel framing, um dos aspectos aos quais o projetista deve se atentar se refere à estabilização da estrutura. O método mais utilizado para garantir rigidez é o contraventamento em “X”, que consiste em utilizar fitas em aço galvanizado fixadas na face do painel, cuja largura, espessura e localização é determinada pelo projeto estrutural.

Fonte:

CBCA

')}